Estenose Pilórica: Sintomas, Tratamento, Perspectivas e Mais

Tudo o que você deve saber sobre a estenose pilórica

Visão geral

O piloro é uma válvula muscular localizada entre o estômago e o intestino delgado. É o ponto de saída do estômago e o portal para o duodeno do intestino delgado. Ajuda o estômago a manter alimentos, líquidos, ácidos e outras substâncias até que estejam prontos para se moverem para o intestino delgado e serem mais digeridos e depois absorvidos.

Por razões que não são totalmente compreendidas, o piloro às vezes pode engrossar e causar estreitamento luminal. Isso é chamado de estenose pilórica. Esse espessamento pode se tornar tão grande que bloqueia o fluxo de alimentos do estômago para o intestino delgado.

A estenose pilórica tem maior probabilidade de afetar bebês jovens. É encontrado em 2 a 3 em cada 1.000 bebês. Geralmente aparece nas primeiras 2 a 8 semanas de vida, embora possa ocorrer em bebês com até 6 meses de idade. A condição interfere nas mamadas, podendo afetar o crescimento e a hidratação. É por isso que o diagnóstico e o tratamento precoces são importantes.

Sintomas

Os problemas gastrointestinais são os principais sintomas da estenose pilórica. A maioria dos bebês com essa condição parece bem no nascimento. Os sintomas geralmente começam e se tornam progressivamente piores durante os primeiros meses de vida. Os sintomas podem incluir:

  • Vômito forçado após uma alimentação que difere do cuspe normal. Como a válvula do piloro se torna mais espessa com o tempo, o vômito torna-se mais frequente e explosivo. Pode ser vômito de projétil, o que significa que ele se desloca a vários metros da boca do bebê.
  • Desidratação. O piloro espessado não só bloqueia a passagem de alimentos sólidos, mas também de líquidos. Um bebê desidratado pode chorar sem lágrimas, ter menos fraldas molhadas e ficar indiferente.
  • Fome. Um bebê com estenose pilórica pode querer se alimentar constantemente ou ficar nervoso por causa da fome.
  • Obstipação. Sem alimentos e líquidos adequados que atinjam os intestinos, a condição pode causar constipação.
  • Cólicas no estômago. Alguns pais notam contrações do tipo onda que se movem pelo abdômen do bebê depois de uma mamada. Isso ocorre quando os músculos do estômago se esforçam para tentar mover o alimento através da luz do piloro estreitada e do esfíncter pilórico.

Ao contrário de um problema estomacal, os bebês com estenose pilórica geralmente não parecem estar doentes entre as mamadas.

Fatores de risco

Estenose pilórica não é comum. Certos bebês são mais propensos a isso do que outros. Coisas que colocam um bebê em risco são:

  • Sexo. Os bebês do sexo masculino, especialmente os primogênitos do sexo masculino, correm mais riscos do que as mulheres.
  • História familiar. Aproximadamente 15 por cento dos bebês com a doença têm uma história familiar do transtorno. Um bebê nascido de uma mulher que tenha a condição de criança é três vezes mais provável de ter estenose pilórica.
  • Corrida. A condição é mais provável de afetar caucasianos da descendência do norte da Europa. É menos comum em afro-americanos e asiáticos.
  • Tabaco para fumar. Fumar durante a gravidez quase dobra a chance de dar à luz um bebê com estenose pilórica.
  • Alimentação de mamadeira. Em um estudo de 2012, bebês alimentados com mamadeira apresentaram maior risco de estenose pilórica, sendo pelo menos quatro vezes mais propensos a desenvolver a doença do que aqueles que não receberam mamadeira. Especialistas neste estudo não puderam determinar exatamente se o maior risco foi devido ao próprio mecanismo de alimentação, ou se o leite materno versus fórmula durante a alimentação também contribuiu para o aumento do risco.
  • Uso de antibióticos. O uso de certos antibióticos no início da vida pode aumentar o risco de estenose pilórica do bebê. Um estudo sugere que os bebês que receberam antibióticos nas duas primeiras semanas de vida tiveram o maior risco.

Diagnóstico

Quando houver suspeita de estenose pilórica, o médico do seu bebê terá um histórico completo e fará um exame físico do abdômen do seu filho. Se o médico pode sentir um músculo do piloro espesso, que pode parecer uma azeitona, nenhum teste adicional pode ser necessário.

Se o médico não conseguir sentir o piloro, ele pode solicitar uma ultrassonografia abdominal para examinar o tecido abdominal a fim de ver o piloro. O médico também pode querer imagens de raios X tiradas depois que seu bebê bebe um líquido de contraste para ajudar a melhorar a clareza das imagens. Esta radiografia contrastada oral pode mostrar como o líquido viaja do estômago para o intestino delgado e mostra se há um bloqueio.

Tratamento

A estenose pilórica precisa ser tratada. Ele não vai melhorar sozinho.

Seu filho precisará de uma cirurgia chamada piloromiotomia. Durante essa cirurgia, que pode ser feita por laparoscopia, um cirurgião cortará parte do músculo adensado para restaurar a passagem de alimentos e líquidos.

Se o seu bebê estiver desidratado por causa de vômitos frequentes e fortes, eles podem precisar ser hospitalizados e receber líquidos através de uma agulha intravenosa inserida em uma veia (fluido EV) antes da cirurgia. Uma vez adequadamente hidratado, seu bebê terá que se abster de alimentar por várias horas para reduzir o risco de vômito enquanto estiver sob anestesia.

A cirurgia em si geralmente leva menos de uma hora, mas seu bebê provavelmente permanecerá no hospital. 24 a 36 horas. A maioria dos bebês se saem bem após a cirurgia. As mamadas são gradualmente retomadas e a dor geralmente é tratada com analgésicos de venda livre. É normal que os bebês vomitem um pouco nas primeiras horas e dias após a cirurgia, quando o estômago se estabiliza.

Perspectivas

Esta condição pode afetar as necessidades nutricionais e de hidratação de seu filho, por isso é É importante procurar ajuda médica sempre que seu bebê tiver dificuldades de alimentação. A condição pode ser corrigida com sucesso com a cirurgia, e a maioria das crianças crescerá e prosperará como os outros bebês.

QA: Estenose pilórica em adultos

Q:

Esta condição pode se desenvolver em adultos ou é vista apenas em bebês?

A:

Sim, de acordo com a literatura, a estenose pilórica ocorre muito raramente em adultos. Pode desenvolver-se devido a uma causa atribuível, como uma úlcera adjacente, câncer ou aderências após uma cirurgia abdominal. Também pode ser idiopático, onde não há causa subjacente encontrada. A forma idiopática é muito menos comum e tende a ocorrer mais em homens de meia-idade. Quando os sintomas se tornam graves, e a forma e função gastrointestinal não podem ocorrer adequadamente, a cirurgia é necessária. Dependendo do grau de estenose pilórica presente, a cirurgia corretiva em um adulto pode ser mais extensa do que a realizada em um bebê.

Stacy Sampson, DOAnswers representam as opiniões de nossos especialistas médicos. Todo o conteúdo é estritamente informativo e não deve ser considerado um conselho médico.